Pesquisar Neste blog

Jesus dizia a todos: "Se alguém quiser acompanhar-me, negue-se a si mesmo, tome diariamente a sua cruz e siga-me. Lucas 9:23.

15 agosto 2017

Acumuladores: Quando o Entulho da Vida faz mal ao Coração

“Dai e dar-se-vos-á”, disse Jesus. O princípio ensinado, diferente do que se pensa, não é que você não pode ter, ou que a riqueza é um problema em si, a questão é de distribuição, a advertência é contra o acúmulo, quanto a ter em demasia e também ao fato da mente se viciar na apropriação que produz avareza e egoísmo, pois quando repartimos, exercitamos um lado pouco desenvolvido em nós: a generosidade. Mas o homem insiste em caminhar na contramão de Deus, quer construir a sua própria “Torre de Papel”, gasta a vida para ajuntar, conquista o mundo inteiro e perde a sua alma, enriquece e adoece, o que ganha nos negócios, gasta no psiquiatra, o que entre pela boca como ambição, entra igualmente em pílulas contra depressão e ansiedade. Por isso o Galileu advertiu: “Não acumulem riquezas na Terra...”. Temeridade, todavia, é imaginar que ele falava apenas do acúmulo do vil metal. De forma alguma! Jesus apenas exemplificou, pois disse que “Onde estiver o teu tesouro, aí também estará o teu coração”, ou seja, falou que tudo que acumulamos na vida se torna aquilo que faz com que a existência gire em seu entorno. Assista a mensagem e alivie o coração das cargas que a existência produz.


 

01 agosto 2017

A Igreja e a Geração dos Mortos-Vivos

Na idade média, era prática comum enterrar as pessoas dentro de igrejas. Famílias influentes, ricas e poderosas, tinham seus próprios jazigos nos corredores e assoalhos das catedrais, assim como bispos e autoridades sacerdotais também. Ser sepultado neste “solo sagrado”, de preferência em locais próximos ao altar, era privilégio para poucos. Com a pandemia da peste negra na Europa do século XIV, que dizimou aproximadamente 75 milhões de pessoas, o sepultamento em igrejas tornou-se algo inviável por questões de saúde pública, e assim surgiram os cemitérios como nós os conhecemos hoje. Eu tenho considerado a igreja dos nossos dias como cemitério de gente, com uma distinção fundamental em relação ao passado: hoje as pessoas estão sendo enterradas vivas, elas vão sendo sepultadas cirurgicamente: primeiro mata-se quem o indivíduo é, sua singularidade, depois castra-se seus sonhos, algema-se sua mente, reprime-se suas vontades, até que ele se torna um ser sem alma, sem paixão, sem alegria, sem vitalidade, sem brilho no olhar. Sim, neste tempo, a religião criou a “Fábrica dos Zumbis”, uma indústria de produção em série de mortos-vivos, gente que não tem o menor entendimento do que significa o Evangelho e, muito menos, o que implica seguir a Jesus. E assim milhões vão se arrastando pela vida, maltrapilhos de afetos, amputados de generosidade, leprosos de coração, dessensibilizados, eles ouvem, mas não compreendem, veem, mas não discernem, estão hipnotizados por uma ideologia que mata sem que o indivíduo sinta dor. Assista a mensagem e permita-se confrontar pelo Espírito!


 

27 julho 2017

Um Dia de Cada Vez



“Basta para cada dia seu próprio mal”. São palavras de Jesus e ele sabia bem o que estava dizendo.

Sim, por que você pode suportar o acúmulo de problemas de um dia, uma desilusão, um plano frustrado, um momento de ira, um desacerto conjugal, a chatice do chefe, o engarrafamento, o preço do combustível, mas você não pode suporta essas coisas quando elas se acumulam, quando se somam na linha do tempo e se transformam nos dramas da semana, do mês, do ano, e de muitos anos...

Quem faz isso, já sabe o resultado: adoece. Adoece o corpo, por que somatiza as dores acumuladas e adoece a alma, com depressão, ansiedade e pânico. Só uma pessoa que pensa ter alma de lata, coração de pedra e nervos de aço pode alimentar a ilusão de suportar o acúmulo de problemas que estão relacionados às dinâmicas da existência. De certo, pessoas normais, certamente, sucumbirão a essa rotina perversa, pois não há musculatura espiritual que suporte viver esses dramas para além de um único dia!

“Não se ponha o sol sobre a vossa ira”, foi outra dica de Jesus. Veja como ele trata do hoje, como não projeta nada nem para frente, nem olha para trás. Trocando em miúdos as palavras do Galileu: não deixe que aja acúmulo do mal no ser, pois o volume destas coisas intoxica a gente, produz infecção generalizada e nos inviabiliza para a vida.

Ora, é certo que os problemas humanos estão sempre contidos entre o ontem e o amanhã, pois nós sofremos pelo que já foi e ansiamos pelo que ainda virá, simplesmente, esquecemos de viver o agora!

Portanto, seja feliz hoje, ou seja infeliz hoje, amanhã, tudo pode mudar, não prolongue nada, zere a conta no final do dia, deixe as mágoas e desilusões escorrerem pelo esgoto, fique livre do mal, saia leve, deite em paz, durma tranquilo, aquele que governa o Universo está olhando para você, e ele sempre conspira para lhe fazer o bem.



Carlos Moreira










25 julho 2017

O Suicida vai para o Inferno?



Se eu acredito que Deus condenará um suicida ao inferno de fogo? Jamais. Quem sai da vida porque viver é pior do que morrer deliberou um ato extremo para tentar encontra paz e pacificação. Certamente, o Pai o acolherá e lhe enxugará dos olhos toda lágrima.

A maior parte dos que sustentam a condenação do suicida o fazem baseados numa afirmação de Paulo na carta de 1ª Coríntios capítulo 3 versos 16 e 17. Ora, para mim, o simples fato de Jesus nunca ter tocado no tema já abre um precedente insuperável para que nós não tentemos legislar nada, onde ele calou. Mas vamos ao texto:

1ª Co. 3:16-17 (Versões de Almeida no Brasil)
Não sabeis vós que sois santuário de Deus, e que o Espírito de Deus habita em vós? Se alguém destruir o santuário de Deus, Deus o destruirá; porque sagrado é o santuário de Deus, que sois vós.

Agora, o mesmo texto na versão King James, considerada uma das melhores versões da bíblia, fora o original grego.

1ª Co. 3:16-17 (Versão King James)
Não conheceis que sois templo de Deus, e que o Espírito de Deus habita em vós? Se alguém contaminar o templo de Deus, Deus o destruirá; Porque o templo de Deus, que sois vós, é santo.

A palavra “destruir”, que aparece nas citações acima, do grego φθείρω (phtheiró), pode ter em sua tradução a aplicação de mais de um sentido. Contudo, no texto em questão, ela é melhor traduzida quando usamos a palavra “corromper”. Para perceber o que digo, esse mesmo verbo – φθείρω – é utilizado em passagens como 1ª Co. 15:33, 2 Pe. 2:12, Ap. 19:2 e Ef. 4:22.

Quando Paulo faz a analogia asseverando que nós somos o templo de Deus, ele fala a uma plateia de gentios recém convertidos, que era a maioria da composição dos membros da igreja de corinto. Ora, essa gente estava acostumada a conviver com templos pagãos, pois na cidade havia, ao menos, 12 deles.

Mas a ilustração não servia apenas aos gentios, mas também aos Judeus, pois a ideia de “corromper” era a mesma de “contaminar”, e o Judeu bem sabia o que significava a contaminação do templo, pois em sua história isso já havia sido feito por Epifânio Antíoco, rei da Síria, que profanou o segundo templo.

Então, quando Paulo fala sobre “corromper/contaminar” o templo, que agora não é mais uma obra humana, um empreendimento de pedras, mas o nosso próprio corpo, tornado santuário, ele está tratando de questões éticas e morais, da entrega do corpo a depravação, a diluição do ser, o extravio da alma, a profanação da consciência, o que se compatibiliza com todos os outros textos onde o verbo citado aparece.

Assim também, o mesmo verbo – φθείρω – que aparece na parte (b) do versículo “Deus o destruirá; Porque o templo de Deus, que é você, é santo”, precisa ser adequado quanto a sua tradução, pois, em nossa língua, destruir não o compatibiliza nem com o Espírito do Evangelho, nem com o total da citação. Assim, depois de consultar alguns exegetas, percebi que minha ponderação estava coerente, pois eles aplicam a parte (b) do versículo o sentido de “ruína”, ou seja, se nós nos corrompermos ao ponto de profanarmos nosso próprio corpo, alma e espírito, Deus nos entregará a nós mesmos e nos deixará entrarmos num processo de falência que nos levará a ruína.

De fato, não precisa ser um especialista para perceber que esta posição tem muito mais a ver com Jesus e com o Evangelho do que a tese de que Deus vai matar alguém, seja por que motivo for, até mesmo porque o texto não trata de suicídio, mas de devassidão e diluição do ser.

Portanto, quanto mais estudo, mais vejo que é preciso estudar e que analisar textos de forma simplista, sem um cuidado hermenêutico adensado, olhando para as várias traduções, para a mesma palavra aplicada a mais de um contexto, em livros distintos, etc, é algo perigoso. 

Por isso, mantenho firme minhas convicções e dou aqui alguns poucos, mais bons argumentos, para tal.


Carlos Moreira



Mais Lidos

Barra de Vídeos

Loading...

Músicas

O Que Estamos Cantando

Liberdade de Expressão

Este Site Opera Desde Junho de 2010

É importante esclarecer que este BLOG, em plena vigência do Estado Democrático de Direito, exercita-se das prerrogativas constantes dos incisos IV e IX, do artigo 5º, da Constituição Federal. Relembrando os referidos textos constitucionais, verifica-se: “é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato" (inciso IV) e "é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença" (inciso IX). Além disso, cabe salientar que a proteção legal de nosso trabalho também se constata na análise mais acurada do inciso VI, do mesmo artigo em comento, quando sentencia que "é inviolável a liberdade de consciência e de crença". Tendo sido explicitada, faz-se necessário, ainda, esclarecer que as menções, aferições, ou até mesmo as aparentes críticas que, porventura, se façam a respeito de doutrinas das mais diversas crenças, situam-se e estão adstritas tão somente ao campo da "argumentação", ou seja, são abordagens que se limitam puramente às questões teológicas e doutrinárias. Assim sendo, não há que se falar em difamação, crime contra a honra de quem quer que seja, ressaltando-se, inclusive, que tais discussões não estão voltadas para a pessoa, mas para idéias e doutrinas.

Visualizações de Páginas

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More